#30 O uso do papel reciclado no IMS/CAT/UFBA: uma realidade ou utopia?

Novas tecnologias de reciclagem e reaproveitamento são criadas e aprimoradas todos os dias no Brasil e no mundo. Empresas devidamente estruturadas buscam adotar estas novas tecnologias com o intuito de melhorar sua produtividade e refinar seu processo de produção. O pontapé inicial da ampliação de processos de reciclagem se deu no ano de 1992, na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, mais conhecida como Rio 92. Neste evento foi adotado, entre outros compromissos, o de incluir em cada país a gestão de lixo como ponto de grande importância (CEMPRE, 2013).

Uma das grandes aplicações de técnicas e politicas de reciclagem se dá na indústria da papelaria. A matéria prima mais frequentemente utilizada na produção do papel é a madeira, e no Brasil, se usa principalmente a madeira de Eucalipto (Figura 1). No entanto, o princípio da reciclagem de papel se dá no fato de que outras partes vegetais também podem ser empregadas na produção do papel, em especial, a celulose presente nas folhas de papel usadas (ANAP, 2018).

Figura 1 – Árvores de eucalipto, utilizadas para a fabricação de papel.

Fonte://goo.gl/1ctyBm

A técnica de reciclagem consiste em transformar as folhas de papel direcionadas a reciclagem e convertê-las em uma pasta celulósica, composta de fibras de celulose. O uso de água e energia neste processo também é consciente: Economiza-se cerca de 2,5 barris de petróleo, 98 mil litros de água e 2.500 kw/h de energia, em comparação com o processo de fabricação de papel comum. Além de água e energia, a economia de recursos naturais também é notável (Figura 2): Uma tonelada de folhas direcionadas a reciclagem pode substituir de 2 a 4 m3 de madeira, resultando em uma vida útil de 15 a 30 árvores. Considerando que o Brasil utiliza cerca de 1,7 milhões de hectares destinados a produção de celulose e papel, o uso efetivo desta técnica traduz-se em uma maior área para se utilizar outras formas de agricultura (SILVA, 2012).

Figura 2 – Comparativo de consumo de recursos entre papel reciclado e papel branco.

Fonte://goo.gl/wPFb9T

Outro ponto importante neste processo é o aspecto socioambiental: a indústria de reciclagem de papel é uma grande responsável na criação de empregos. É estimado que empresas de reciclagem empregam até 5 vezes mais, em comparação com as indústrias que produzem papel, a partir da celulose virgem. Estima-se também que todo o processamento de coleta e destinação final adequada de lixo, promova a criação de 10 vezes mais empregos nesta área da indústria de papel reciclável.

Além disso, as fábricas de reciclagem de papel promovem muito menos impactos ambientais (Figura 3), visto que a grande produção de resíduos químicos e sólidos acontece durante a fase crítica de fabricação de celulose, diminuindo a poluição de forma geral e tornando o processo mais limpo (AMBIENTEBRASIL, 2018).

Figura 3 – Fábrica produtora de celulose bruta expelindo fumaça.

Fonte://goo.gl/1GAxPb

O Governo do estado de Minas Gerais, no dia 22/06/2017, publicou no diário Oficial do Estado a Lei 22.510/207 em que todos os órgãos e entidades da administração pública direta e indireta dos Poderes do Estado já devem, a partir daquela data, utilizar papel reciclado em quantidade equivalente a, no mínimo, 50% do total de papel utilizado em impressos, envelopes, publicações, embalagens e similares. E terão o prazo de 365 dias para se adequarem à nova lei (AGÊNCIA MINAS GERAIS, 2017).

Atualmente, o campus Anísio Teixeira adota variadas medidas de reaproveitamento de papel. Além da pratica de coleta seletiva, realizada em todos os materiais residuais, a universidade também busca reutilizar o papel descartado das impressoras e gabinetes submetendo-os a um processo de elaboração de blocos de rascunhos, diminuindo efetivamente o uso de papel nas imediações, ao mesmo tempo que dá uma nova funcionalidade ao papel já utilizado. As folhas de papel que não podem ser aproveitadas são devidamente fragmentadas e enviadas para a Cooperativa Recicla Conquista.

A grande indagação se dá perante a utilização do papel reciclado. Enquanto grandes instituições adotam o uso das folhas recicladas, o Campus Anísio Teixeira se encontra em um processo de questionamento e transição. Em Janeiro de 2018 foi realizada uma enquete sobre a aceitação de papel reciclado nas instalações do instituto, onde a grande maioria dos professores, técnicos e alunos, dos que responderam a enquete (Figuras 4 e 5), se mostraram receptivos ao uso do papel reciclado nos variados setores e funções. Resta, no entanto, mais pesquisa e inquérito em relação ao assunto antes de serem tomadas quaisquer medidas práticas.

Figura 4 – Qual a sua posição no IMS/CAT/UFBA

 

Figura 5 – Você é a favor do uso de papel reciclado nas atividades do Campus?

Para a conscientização da sociedade, sobre os benefícios sociais e ambientais da reciclagem do papel, é necessário difundir uma cultura ambiental voltada para o tema. Por exemplo, desde quais materiais podem ser reciclados (sendo estes: caixas de papelão, jornais, revistas, cartões e papeis impressos no geral) como os que não podem ser reciclados (papel sanitário, copos descartáveis, papel carbono e fotografias) bem como o seu local exato de descarte (Figura 6), de modo que viabilize e facilite o processo de seleção e coleta especializada (AMBIENTEBRASIL, 2018).

Figura 6 – Lixeira apropriada para o descarte de papel que possa ser destinado a reciclagem.

Fonte: https://goo.gl/su7z6T

============================================================================

Referências

AGÊNCIA MINAS GERAIS. Meio ambiente. Lei apresenta modificação para o consumo de papel reciclado em Minas Gerais. DOE, 2017. Disponível em: <http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticia/lei-apresenta-modificacao-para-o-consumo-de-papel-reciclado-em-minas-gerais&gt;. Acesso: 07 Mai. 2018.

Ambiente Brasil. Reciclagem de Papel. Disponível em: http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/reciclagem/reciclagem_de_papel.html. Acessado: 02 Mai. 2018

ANAP, DIAGNÓSTICO DA RECICLAGEM DE PAPEL NO CENÁRIO BRASILEIRO: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA DA ECONOMIA DE RECURSOS NATURAIS, 2018.

CEMPRE, A reciclagem de papel no Brasil, 2013. Disponível em: http://cempre.org.br/cempre-informa/id/30/a-reciclagem-de-papel-no-brasil. Acessado: 02 Mai. 2018.

 

 

Edição: Maio/2018           By: Antonio Sodré; Cleiton Peña & Ivan sobrinho

Anúncios